22 junho 2015

Acabar com o preconceito criando outro?

Veja essa matéria  da veja e REFLITA!



Blogs e Colunistas

Coluna: Rodrigo Constantino

Análises de um liberal sem medo da polêmica

O preconceito dos “progressistas” que “condenam” o preconceito

Duplo padrão moral: ofender cristãos tudo bem, mas fazer charge do profeta Maomé é absurdo e justifica até ato terrorista!

Com certeza o leitor conhece alguém do tipo “progressista”, tem algum amigo da esquerda caviar, um típico “inteligentinho” que deseja salvar o mundo, as baleias, combater as injustiças sociais e pregar a paz contra todo tipo de preconceito, tudo isso entre um vinho chileno e uma champanhe safrada. Essa turma é totalmente desprovida de preconceitos, tolera tudo e todos. À exceção, claro, dos evangélicos, dos conservadores, dos neoliberais, dos cristãos heterossexuais, dos “coxinhas” da classe média.

Chega a ser engraçado vê-los caindo em contradição a cada frase. O discurso contra o preconceito é pura retórica falsa, que não se sustenta por duas linhas. Querem um exemplo? A coluna de Gregorio Duvivier de hoje na Folha. Greg, como muitos sabem, é um rapaz muito inteligente, ou melhor, inteligentinho, e também muito engraçado. Nossa, como faz humor o sujeito! Com a sutileza de um elefante numa loja de cristais, assim como o clássico humor britânico.

Hoje ele deu vazão ao seu complexo de megalomania, normal entre os filhinhos de papai, e escreveu como Jesus em pessoa. Era uma mensagem direta para um pastor-deputado, alegando que Jesus era um socialista, não um caviar (como ele mesmo), mas um nos moldes Mujica, de chinelo e abraçando leprosos. Jesus, pela bizarra ótica de Greg, seria um Che Guevara da vida. Ironicamente, Greg condena a ganância dos cristãos que guardam para si suas riquezas, ignorando que ele mesmo “adora” o socialismo, mas só no discurso, pois prefere viver mesmo como um rico capitalista.

Mas deixemos isso de lado. O que interessa aqui é o preconceito contido em cada linha do “humorista”, que retrata o evangélico de forma caricatural e pejorativa, ofendendo, assim, milhões de pessoas decentes. Diz pela porta dos fundos o “intelectual”:

Soube que vocês estão me esperando voltar à terra. Más notícias, pastor. Já voltei algumas vezes. Vocês é que não perceberam. Na Idade Média, voltei prostituta e cristãos me queimaram. Depois voltei negro e fui escravizado -os mesmos cristãos afirmavam que eu não tinha alma. Recentemente voltei transexual e morri espancado. Peço, por favor, que preste mais atenção à sua volta. Uma dica: olha para baixo. Agora mesmo, devo estar apanhando -de gente que segue o senhor.

Ou seja, os evangélicos conservadores são uns violentos agressivos, que espancam “minorias”. Eis o retrato que Greg faz dos seguidores dos pastores. Notem que o mesmo “inteligentinho” aplaude revolucionários, jovens mascarados, esses sim violentos, que depredam tudo em volta. Também defende os marginais que roubam e matam inocentes, pois é contra a redução da maioridade penal, e ainda apela a Jesus, como se soubesse o que Cristo diria sobre o assunto. Mas são os evangélicos os agressores, nunca os socialistas que Greg defende.

Curiosamente, e não é a primeira vez, o artigo de Luiz Felipe Pondé, logo após o de Greg, detona o tipinho, refutando suas baboseiras e expondo suas contradições. Pondé escreveu em sua colunade hoje sobre a transexual “crucificada” na Parada Gay, e tomou até o partido “dela”, não o dos evangélicos ofendidos. Mas chamou a atenção justamente para a gritante incoerência dos esquerdistas que Greg tão bem representa:

Mas a pergunta que não quer calar é: cadê os inteligentinhos que escreveram artigos na época do “case ‘Charlie Hebdo’”, dizendo que deveríamos respeitar as religiões e as culturas alheias? Cadê a moçadinha café com leite que disse que a função da mídia é favorecer a integração cultural e evitar conflitos? Cadê os bonitinhos que disseram que os cartunistas não respeitaram o sacrossanto “outro”?

Cadê eles os que não saíram em defesa dos “irmãos” dizendo que não se deve brincar com a fé dos outros? Evangélicos não merecem o mesmo “respeito com o outro” que os muçulmanos? O fato é que essa gente inteligentinha é inconsistente mesmo, a menos que esteja falando de comida peruana. No fundo, são um poço de preconceito contra o cristianismo.

[...]

Entendo que os evangélicos e cristãos em geral se ofendam. Acho que a reação de orar no Congresso Nacional não cabe num estado laico. Mas gostaria de saber a opinião dos inteligentinhos, que sempre se mostram tão sensíveis aos terroristas islâmicos. Cadê a sensibilidade para com o justo mal-estar dos cristãos diante de uma teologia iconoclasta como a da transexual crucificada?

Pois é: cadê? Sumiu. Nunca existiu. A “sensibilidade” dos “progressistas” é seletiva, só serve para as “minorias”. Quando se trata de conservadores, de neoliberais, de evangélicos, de ocidentais brancos heterossexuais cristãos, aí eles podem deixar toda a “sensibilidade” de lado e partir para a agressão verbal, para a caricatura, para os xingamentos, rótulos pejorativos, adjetivos chulos. É muita cara de pau mesmo!

Um desses ícones da esquerda caviar, Francisco Bosco, já chegou a justificar que as piadas são aceitáveis quando contra a “maioria”, mas não contra as “minorias”. É o duplo padrão moral dessa turma, que apenas simula uma ausência de preconceito, enquanto possui o coração eivado de sombrio preconceito. Apenas não admitem, o que é pior. São falsos. São hipócritas.

Rodrigo Constantino

Tags: Francisco Bosco, Gregorio Duvivier, Luiz Felipe Pondé

17 junho 2015

Jean Wyllys perde primeira batalha jurídica contra ex-gay em Brasília

Jean Wyllys perde primeira batalha jurídica contra ex-gay em Brasília
Uma ação movida pelo deputado federal Jean Wyllys (PSOL/RJ) contra o ex-gay Claudemiro Soares Ferreira por charlatanismo, curandeirismo e estelionato, teve sua primeira decisão no Juizado Especial Criminal de Taguatinga (DF), cidade satélite do DF, favorável ao evangélico.
A ação de autoria do deputado Jean Wyllys foi enviada para a Vara de Delitos de Trânsito, pois na decisão o juiz se considerou que não há competência a este ao Juizado Especial Criminal para processamento e julgamento do feito.
Claudemiro foi processado pelo parlamentar por seu testemunho em igrejas evangélicas do Distrito Federal e por ministrar palestras e cursos sobre orientação sexual. Em janeiro o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) interrompeu um curso ministrado por Claudemiro a pedido de Wyllys.
No dia em que o curso “Homossexualismo: ajudando, biblicamente, a prevenir e tratar aqueles que desejam voltar ao padrão de Deus para sua sexualidade”, voltado exclusivamente para lideranças evangélicas, era ministrado na Sociedade de Estudos Bíblicos Interdisciplinares, na cidade de Taguatinga, Wyllys fez uma denúncia para que o curso fosse interrompido.
Além de Wyllys, a Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República também havia denunciado o curso. Na ocasião os palestrantes Airton Williams e Claudemir Ferreira Soares foram notificados a comparecer ao Ministério Público para prestar esclarecimentos sobre o curso. Com informações Esplanada