31 agosto 2013

ex-BBB Natália Nara vira pastora e chora ao se lembrar do ensaio nu que ...




A ex-participante do reality show Big Brother Brasil, Natália Nara, se converteu ao evangelho depois de sair do programa e agora tenta viver longe da fama e dos trabalhos que realizou por causa de sua passagem pela atração global. Hoje, a ex-BBB se nega a falar ou ser reconhecida pelo programa e chora todas as vezes que lembra do ensaio nu que fez para a “Playboy”.
As informações sobre Natália foram passadas por sua mãe ao site Extra, de acordo com ela, desde que a filha se converteu, na Igreja Bola de Neve, ela deixou de lado o sonho de se tornar atriz e passou a fazer caridades e pregar a palavra de Deus.
- Ela não quer mais saber de ‘BBB’, mas o que ela mais lamenta é o fato de ter posado nua. Ela chora só de lembrar. Esse programa só fez mal a ela e atrapalhou os estudos – afirmou dona Neide.
A vida de Natália mudou completamente quando ela conheceu a religião, em 2007, através de uma empresária na época. Atualmente, ela é casada com um membro da Bola de Neve, finaliza sua faculdade de Jornalismo e quer seguir como pastora em São Paulo, onde mora atualmente.
- Quando me dei conta da besteira que eu fiz (a revista ‘Playboy’), me arrependi e passei a andar no caminho de Jesus – testemunhou Natália, num vídeo publicado no Youtube.
Atualmente ela se dedica à pastoral de comunicação da sua igreja, onde apresenta um programa de notícias, e se nega a conceder entrevistas sobre seu passado no reality show.
- Agradeço a lembrança, mas não tenho mais nada a falar. Tem outros BBBs mais recentes para vocês entrevistarem – afirmou ao procurada para entrevista pela coluna TV e Lazer, do Extra.
Por Dan Martins, para o Gospel+





21 agosto 2013

Prefeito Mazinho e o Vice Zequinha tem a sua candidatura cassada, Itápol...



Mantida cassação do prefeito e vice de Itápolis-SP
Ouça matéria sobre o tema.

Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negaram, na sessão desta terça-feira (20), recurso apresentado por Júlio César Nigro Mazzo, prefeito reeleito de Itápolis-SP em 2012, e seu vice José Luiz Hawachi contra decisão que multou e cassou os seus registros de candidatura por fazerem propaganda institucional em período proibido pela legislação eleitoral, enaltecendo a imagem do candidato à reeleição, em jornal oficial da prefeitura. Júlio César Mazzo foi eleito prefeito com 56% dos votos válidos.

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) multou e cassou os registros dos candidatos por entender que Secretaria de Governo, ligada diretamente ao prefeito, publicou e fez distribuir de julho a setembro de 2012, em período vedado pela legislação, edições do jornal oficial do município. Além de notícias de caráter informativo, o TRE paulista considerou que o jornal continha publicidade de obras e serviços da administração de Júlio Nigro Mazzo, promovendo a sua imagem.

De acordo com o TRE, tais publicidades, veiculadas sempre abaixo das informações iniciais no jornal, divulgavam obras e serviços da prefeitura, como nova iluminação pública, compra de máquinas para prefeitura, entre outros, visando enaltecer a administração e a imagem do prefeito, apesar de não citarem seu nome ou fazer referência à candidatura ou eleição.

Entre as condutas vedadas aos agentes públicos pelo artigo 73 da Lei das Eleições (Lei nº 9.504/97) está a que proíbe, nos três meses que antecedem as eleições, a autorização de publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da Administração Indireta, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral.

Relator do recurso do prefeito cassado, o ministro Henrique Neves votou pelo seu acolhimento, sustentando que não se poderia imputar ao prefeito a responsabilidade sobre a redação e publicação do jornal oficial da prefeitura que estava a cargo de uma Secretaria de Governo. O relator informou que sequer o responsável pela Secretaria na época estava incluído na ação movida pela coligação Itápolis Pode Mais contra o prefeito e seu vice.

"Para que o agente público venha a ser sancionado [pela conduta vedada], é essencial que tenha ele autorizado a propaganda institucional, sem o que se estaria estabelecendo uma responsabilidade objetiva que decorreria da mera existência da propaganda", disse o ministro em seu voto.  
   
 O ministro Henrique Neves informou ainda que, segundo os autos do processo, o jornal oficial de Itápolis sempre foi publicado pela prefeitura, inclusive em anos anteriores, não sendo sua divulgação algo excepcional naqueles meses de 2012. O voto do relator foi acompanhado pela presidente do TSE, ministra Cármen Lúcia, e pela ministra Luciana Lóssio.    

No entanto, o ministro Marco Aurélio divergiu do voto do relator e rejeitou o recurso por entender que a publicidade institucional estava proibida no período em que o jornal oficial da prefeitura foi divulgado. "E é muito sintomático que se deixe para fazer publicidade de atos, de obras e serviços e campanhas neste espaço de tempo e no período crítico de três meses que antecedem as eleições", disse o ministro.

Os ministros Dias Toffoli, Laurita Vaz e Castro Meira também negaram o recurso.

EM/LF

Processo relacionado: Respe 40871

12 agosto 2013

Pr Josué Gonçalves - Tema: Não basta estar juntos é preciso estar conectaos! - MDA 22/05/13

Terapeuta familiar, pastor sênior do Ministério Família Debaixo da Graça - Assembleias de Deus em Bragança Paulista - SP onde mora com a esposa, Rousemary, e os três filhos, Letícia, Douglas e Pedro. O pastor Josué é membro da CGADB - Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil e AEVB - Associação Evangélica Brasileira. Bacharel em teologia pelo IBAD - Instituto Bíblico das Assembleias de Deus, com especialização em aconselhamento pastoral e terapia de casais, exerce um ministério específico com famílias desde 1990. É conferencista internacional, tendo ministrado em todo o Brasil, e em países como, Japão, Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Portugal, Luxemburgo e Alemanha

09 agosto 2013

Thalles Roberto desmascarado, Pastor mostra contrato e diz que o cantor não cantou porque não quis

O responsável pelo evento mostrou todas os documentos que comprovam que o som e os seguranças foram pagos
O pastor Ivonélio Abrahão gravou um vídeo para explicar a sua versão sobre que aconteceu no dia 18 de julho em União dos Palmares (AL) quando o show do cantor Thalles Roberto foi cancelado deixando centenas de pessoas frustradas.
O vídeo foi postado no Youtube nesta quinta-feira (8) pelo responsável do evento mostra documentos que comprovam que o som, os seguranças, as passagens, o hotel e até o almoço do cantor estavam pagos.
Ao mostrar os comprovantes de pagamento, Abrahão invalida a versão apresentada por Thalles que gravou um vídeo assim que o caso repercutiu na internet dizendo que não se apresentou porque não tinha som e que o pastor estava em débito com algumas empresas que prestaram serviço para o evento.
O pastor de União dos Palmares diz que Thalles “não cantou porque não quis” e revela que para algumas pessoas ele declarou que “não toca para minorias” se referindo a quantidade de pessoas que estavam aguardando sua apresentação.
O show tinha como expectativa atrair 20 mil pessoas, mas por conta do mal tempo, apenas 500 compareceram. Os ingressos foram vendidos a R$35 e o pastor afirma ter gasto R$100 mil com a organização do evento, sendo que R$65 mil foram pagos para o cantor.
Os participantes do show foram comunicados da não apresentação por volta das 22h, indignados dezenas deles se dirigiram ao hotel onde Thalles Roberto e sua banda estavam para protestar, chamando o cantor de mercenário.
O caso foi parar na justiça e o pastor Ivonélio Abrahão garante que tem provas documentadas e testemunhas de que o cantor faltou com a verdade ao falar sobre o caso, mas que confia mesmo é na justiça divida. “Deus é expert em derrubar estrelas”, disse.

03 agosto 2013

Pastor Cláudio Duarte participa do Programa do Ratinho. Assista! sobre sexualidade, muito bom.

Com o bom humor de sempre, Cláudio Duarte falou sobre sexualidade, homossexualismo, relacionamento e o divórcio.
Nesta quinta-feira (2) o Programa do Ratinho, apresentado por Carlos Massa, recebeu o pastor Cláudio Duarte. Auxiliar da Igreja Batista Monte Horebe em Campo Grande, Rio de Janeiro, o pastor ficou famoso e tornou-se um dos conferencistas mais requisitados no cenário evangélico pelo seu modo descontraído ao abordar temas relacionados à família e a sexualidade.
Duarte respondeu diversas perguntas feitas pelo apresentador e comentou temas como o humor na Bíblia, a sexualidade, o homossexualismo, o relacionamento e o divórcio. O pastor defende que a Bíblia aponta um “senso de humor” em Deus e usa como exemplo o início da criação, logo após a queda do homem, quando Deus mesmo sendo onisciente pergunta por Adão. “Ele é onisciente, onipresente e dá uma de desentendido”, argumentou o pastor.
“Se você olhar o humor de Jesus: Jesus está no Getsemani, o guarda chega para prendê-lo e ele chega no soldado e pergunta: ‘Quem vocês estão procurando?’”, lembrou o pastor. “Um indivíduo cego de nascença, gritando ‘filho de Davi tem misericórdia de mim’, Jesus chama o cego e diz: ‘o que queres que eu te faça?’  O que o cego diria? Me dá um cão guia”, conta Duarte com muito bom humor.
Sobre a homossexualidade o evangélico foi enfático ao dizer que é pecado. Duarte também lembrou que apesar do bom humor ele não é liberal e disse que não pode liberar coisas que a Bíblia não libera. O pastor destaca que como professa a fé com base em um livro, no caso a Bíblia, e como o livro condena a prática, ele não pode ser a favor.
O evangélico também condenou o divórcio e disse que Jesus não permite a separação nem quando acontece o adultério, como argumenta muitos teólogos. Duarte diz que Jesus permite o divórcio por causa da dureza de coração.
O pastor concluiu dizendo que infelizmente o homem está cada vez mais distante de Deus e que ele procura ensinar em suas palestras que o homem precisa se aproximar de Deus